Morar na Alemanha e trabalhar remoto para qualquer lugar

Tati Vieira é carioca, mas o mundo é sua casa. Há algum tempo ela foi morar na Alemanha e atualmente trabalha remoto, em seu estúdio de design, para qualquer lugar.

“Sempre quis escrever sobre algo, ter uma personagem criada por mim. Eu queria contar pra todo mundo, fazer amigos. Ser tipo Gasparzinho. Queria conhecer o mundo. Mas viajar parecia ser algo distante. Como eu poderia voar, sem nem sabia andar de bicicleta ainda?”, lembra.

 

Como a Tati foi morar na Alemanha?

Em 2011 ela juntou toda a grana que tinha e foi para Londres. “Fui a Londres e vi que, sim, havia muita coisa a ver e tudo estava ali, disponível para quem quiser olhar”, disse.

Depois disso não parou mais. Tati diz que “a vontade de conhecer o mundo foi crescendo. Como creio muito em sincronicidade, esbarrei com pessoas incríveis que hoje são parte da minha família. E, em 2015 vim morar na Alemanha”.

Morar na Alemanha sem falar alemão

“Vim morar na Alemanha no final de abril. Sem saber nada de alemão, apesar de já ter feito trabalhos para Köln e Berlin. Faço aula de alemão todos os dias. E fico muito feliz com o progresso rápido”, afirma.

Tati ainda diz que dá medo morar em um lugar sem falar o idioma direito. Entretanto, ela também afirma que se não for com emoção ela não gostaria tanto.

Trabalhar remoto

Para a Tati longe é um lugar que não existe. Ainda mais no mundo digital que vivemos hoje em dia. Sua formação também facilita seu trabalho remoto.

Mesmo morando na Alemanha ela consegue atender clientes de diferentes partes do mundo. Todo o processo é 100% online.

“Semana passada me escreveram da Austrália pedindo trabalho. Há alguns meses Inglaterra e Dublin. O mundo é uma grande esquina mesmo. Tudo conectado. E isso é lindo demais. Meu sonho realizado”, diz.

Os cartões postais que de hobby viraram trabalho

Tati costumava retratar suas viagens em cartões postais. Enviava sempre para seus pais no Brasil cartões feitos por ela. Escolhia os destinos que visitava, elaborava a arte e acrescentava uma bonequinha que a representasse. Ela conta que sempre ganhava sorrisos dos seus pais como recompensa. Além disso, eles costumavam guardar as lembranças na porta da geladeira.

Hoje em dia o hobby virou trabalho.

“Meu autorretrato dos postais deixa de ser eu e passa a ser, ao mesmo tempo, eu ainda mais. Ela ganha nome: Süssie, que seria como süß, doce, em alemão, e com um charme-cara de nome”, conta.

Tati Vieira é de Jacarepaguá, Zona Oeste do Rio de Janeiro. Atualmente mora na Alemanha e já viajou por vários países sozinha. Ela diz que sua principal motivação para viajar é aprender algo novo.

2017-09-08T06:34:27+00:00