A caminho de Londres: primeira viagem internacional para a Inglaterra

A primeira viagem internacional da Tati foi para Londres. Ela achava que essa viagem nunca aconteceria. Foi planejada no susto, em um momento que precisava repensar no rumo que sua vida estava levando.

“Minha primeira viagem, que achei que nunca aconteceria, foi quase num susto. Londres. Eu estava em fase de sair do emprego, repensar a vida, caminhos. Viajar é excelente para isso. Foi um ano muito transformador e, no mesmo ano, sete meses depois, estava eu em Praga e, Amsterdã. Desde então, não parei mais,” comenta.

Como foi a primeira viagem internacional?

“Fui acompanhada. Meu inglês ainda era muito básico e simplesmente não entendia como eu poderia andar em um lugar completamente desconhecido, mesmo usando mapa. Fiz muitos caminhos pelo Google Street View, antes deestar lá. Então, quando pisei, senti-me bem à vontade”, conta Tati.

Ela diz que se perdeu em Londres quando estava sozinha. Mas, ao invés de sentir medo, estava feliz. Ela olhava cada detalhe, buscando o local, mas sem pressa. Esse sentimento a acompanha até hoje em dia. Tati diz que os dias mais incríveis da vida dela são os que acontecem sem planejamento.

Quando foi que teve o clique de que queria viajar?

“Não sei. Eu sempre viajei. Lia muito e sempre me colocava no universo do outro e isso já era imenso, ou nos filmes. Saber como as pessoas pensam me move. Acho que isso foi aumentando meu processo de: agora é preciso checar com meus próprios olhos, sentir os aromas, tocar, anotar”, conta Tati.

E quanto a grana? Como foi se organizar financeiramente para sua primeira viagem?

“Minhas amigas brincam: “ah, a Tati sempre tem dinheiro”. Mesmo quando comecei a trabalhar, aos 19 anos e ganhava nem 400 reais, eu consegui fazer meu curso Técnico em Turismo. Pagava meu curso de inglês e juntava grana. Em um ano e pouco, quando saí deste emprego, comprei meu primeiro computador e câmera fotográfica. Eu sempre gasto com coisas que me são importantes. Como aprendizado, experiência. Assim tem sido. Minha mãe diz que eu deveria ter feito graduação em Economia Doméstica“, brinca.

Tati diz que antes de morar fora ela comprava as passagens com antecedência. Além disso, cobria o investimento com trabalhos extras que fazia e zerava tudo até a data de embarque. Assim ela sempre viajava sem medo da conta não fechar. Ela se planejava para viajar.

O que você mais gostou em Londres?

Tati diz que em Londres viu que é possível viver com poucas coisas.  Fazer escolhas belas para o que se quer ter por perto.  Ela hoje avalia tudo de bom que quer manter consigo. Como se aquilo cabe na mochila ou no coração. Se sim, ela leva.

“Eu sempre quis movimento, queria observar processos de trabalho, de pensamento. Não simplesmente receber uma tarefa + Google = plin $. Não funciona comigo. Sou muito idealista, envolvida com o mundo. Eu precisava conversar mais com o universo. Hoje não vejo países, vejo o todo. O mundo é nosso”, diz.

Tati Vieira é de Jacarepaguá, Zona Oeste do Rio de Janeiro. Atualmente mora na Alemanha e já viajou por vários países sozinha. Ela diz que sua principal motivação para viajar é aprender algo novo.

2017-09-04T10:04:21+00:00