Momento de reflexão sozinha no Peru

A Larissa precisava de um momento de reflexão. Por isso, resolveu ir viajar sozinha no Peru mesmo tendo uma filha de três anos. Ela organizou a vida para que a pequena ficasse bem e partiu para a viagem.

“Sabe aquele ciclo da vida em que precisamos nos enfrentar? Então, precisava pegar um bloco de notas, sem borracha e sem nostalgia para poder escrever num espaço branco. Novos desafios de vida. Novo tempo. Novos ares. Já tinha lido sobre o Peru e alguns conhecidos já tinham ido para lá, fiquei apaixonada pelo país”, conta Larissa.

A viagem sozinha no Peru

Ela não hesitou, comprou apenas as passagens de ida e volta e embarcou. A viagem foi em janeiro de 2015, mas além de muitas amarras pessoais, ela deixou em Belém a filha Clarice, que na época ia completar 2 aninhos. “Deixei ela com o pai, que cuidou dela com a minha mãe, durante os 15 dias. Pareceu uma eternidade longe da minha cria”, diz.

O desembarque em Cusco

Larissa desembarcou em Cusco depois de muitas horas de voo, escalas e paradas. Ali começou o primeiro desafio da viagem: procurar um hostel. Sim, ela foi viajar apenas com as passagens de ida e volta compradas, porém, não reservou nada.

“Chegando na Plaza Del Armas, fui batendo de porta em porta até encontrar um bom, bacana e barato. Falando pouco espanhol e inglês arrastado com os peruanos que mal conseguiam me entender. Todo dia era um desafio”, relembra Larissa.

A rotina em Cusco

“Acordava, calçava minhas botas e ia caminhar pela cidadela”, diz Larissa. Por lá, ela encontrou brasileiros, fez amizades com argentinos, chineses, paraguaios…. Conheceu a cidade inteira e outras regiões próximas.

Como a grana era curta, ela só gastava com o necessário. Depois de uma semana em Cusco, ela foi até Machu Picchu. E entre as outras viagens, Larissa conta que essa foi uma das melhores sensações de sua vida.

“Subir a montanha de Huayna Picchu é surreal. A trilha é meio difícil para quem não tem preparo. As pedras são os inimigos da subida, mas a chegada ao topo é indescritível”, conta. Na volta de trem a Cusco, para então embarcar para o Brasil, ela teve uma conversa silenciosa com ela mesma.

A descoberta que viajar sozinha no Peru proporcionou

“Descobri que toda a experiência de poder contemplar paisagens incríveis e sentir a energia de cada lugar eu tinha que compartilhar com a minha filha”, diz Larissa. Agora, ela acredita que não importa o quão possa ser difícil encarar toda a preocupação de mãe de primeira viagem, ela irá arriscar viajar com sua filha pequena. Esse é seu próximo objetivo.

Larissa Noguchi é jornalista, tem 26 anos, é mãe da pequena Clarice e mora em Belém/PA.

2017-08-06T19:22:32+00:00